A arte de aquietar a mente

Estou lendo um livro que foge um pouco ao meu estilo literário, mas somado a outros fatores, meu cérebro está a mil. Sempre me considerei (peço licença) sagaz, complexa e madura, mas eventualmente estou descobrindo a minha ingenuidade. O mundo está repleto de pessoas insanamente mais densas do que eu, até no meu cotidiano, e isso é meio estranho. Acho que me fechei demais no que eu penso e no que eu deveria pensar, e deixei de perceber o egocentrismo. Tem coisa demais pra ser refletida e analisada, preciso dar um jeito nos meus valores, encontrar argumentação cirrada pro meu modo de encarar as coisas, e tentar saber pausar um grande problema meu e da sociedade: o overthinking. Ficar sem refletir e formar opiniões é ridículo, mas a especulação e a supervalorização dos acontecimentos é um atraso, pelo menos pra mim. Quanto mais se pensa a respeito, mais preso se fica. Não quero isso. Na verdade, quero ter certeza das minhas ideias a ponto de conseguir convencer os outros e a mim mesma, mas ter a coragem necessária para agir de acordo com o que eu penso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entretidos.