Asfixia

As coisas fogem do controle, e você se sente completamente impotente, e frágil. Acho que todo mundo já passou por isso. Quando lactantes, éramos absolutamente dependentes de nossas mães. Elas salvaram nossas vidas. Sem aquele ato aparentemente vazio de significado, ninguém estaria aqui. Estávamos completamente entregues as vontades dela.
E quando passa daí? Como dá pra saber quais os limites saudáveis das relações sociais? Até quando é certo você ser dependente (querendo ou não) de alguém?
As pessoas são tão carentes e emotivas que desmoronam com a possibilidade de ficarem sozinhos. Mal sabem eles que nascemos sozinhos, estamos assim agora e vai ser desse jeito até o fim.
Desde que atingimos uma idade razoável para reflexão, passamos a questionar tudo, todos, e principalmente os nossos pais. Mas na sociedade em que vivemos, é praticamente impossível romper ligações se você não tem independência financeira, e esta, tão esperada, só é atingida bem tarde na vida.
Nós precisamos ficar sozinhos. Não somos nada sem pensar em nós mesmos, na vida, nas questões metafísicas, e só podemos fazer isso na mais completa solidão.
Pode ser idiota, óbvio, o que for, mas eu só tenho uma vontade na vida desde que me entendo por gente: poder me virar sozinha. O resto é consequência.
Contanto, a cada dia que passa eu vejo que estou a quatro milhões de passos de chegar a esse estado.
Tenho me questionado até onde vale a pena impor as vontades, as opiniões, os pontos de vistas, o entendimento sobre o que faz sentido pra mim. A sociedade está se recluindo em um grupo sem voz, sem ideais, vazios por dentro e por fora. E a cada dia que passa é mais raro achar pessoas diferentes e com vontade de mudar.
Eu sou diferente, eu sou diferente, eu sou diferen...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entretidos.