Eternidade Compulsiva

Sempre considerei as pessoas, em sua grande maioria, substituíveis. Isso normalmente desperta asco.Todos genuinamente entretidos com suas ideias duradouras e seus "para sempre".  Não consigo pensar em absolutamente nada que seja para sempre. Nada mesmo. A questão é que tudo isso é expectativa de comportamento social. Achamos que nossos relacionamentos com as pessoas vão durar a vida inteira, que a família estará sempre ao nosso lado pra dar apoio, que o que você tem com sua "amiiiiga" é mais forte que a estrutura de um prédio. Mas quem falou? Como é que você sabe? Não sei de onde surgiu essa ideia de que tudo é único e maravilhoso.
Recusam-se a perceber que com a passagem dos anos, não só o cenário muda, mas os personagens também. Uma a cada quatrocentas pessoas vai continuar com você com o decorrer do tempo. E isso é algo positivo. Fica quem tem que ficar, quem quer e quem pode.
Por mais horrível que isso soe, já morei em oito cidades e mal sinto falta das pessoas que conheci. Não porque elas significaram pouco pra mim, muito pelo contrário, foram essenciais na minha vida, no momento em que fizeram parte dela. Mas passou. A vida muda, as estações do ano trocam, e as coisas vão perdendo sua importância. Pra ser sincera, tenho mais saudade de gente que jogou RPG comigo por dois anos do que de quem passava o recreio comigo na quarta série.
Justamente por pensar assim, não me incomodo de retirar pessoas da minha vida por não se ajustarem mais ao contexto. Falando desse jeito, parece que sou uma maníaca manipuladora robótica que não se importa com nada nem com ninguém. Eu até gostaria de confirmar isso por ser simplesmente mais fácil, quem tem medo de ser trocado ou do jeito que eu analiso as pessoas, pode sair do meu caminho. Quem esteve comigo (e que ainda está) é diferente dos outros. Marcam com traços fundos onde quer que passem. E é por isso que são meus amigos. Porque amigo não é coleguinha de primeiro ano que tomou umas pingas com você. Amigo não é gente que você conheceu em uma viagem ano passado e viu duas vezes desde então. Não é o cara que te passou cola no Ensino Médio. Amigo é amigo. E me poupem. Vocês não me amam pra sempre, nem se amam pra sempre. Tenham dó de vocês mesmos.

Um salve para as minhas exceções que me fazem acreditar que ainda é possível se relacionar e sentir plenitude e reciprocidade.

Um comentário:

Entretidos.