Insatisfação

Sofro de insatisfação crônica. Nada nem ninguém agrada o suficiente, e se o faz é por pouco tempo. Em algumas semanas ou quem sabe dias eu me canso das coisas, não me encantam mais, não atendem as minhas crescentes expectativas e eu sinto vontade de jogar tudo fora e começar de novo. A única coisa que eu tenho decência de fazer é não demonstrar ou contar para as pessoas, já que o que pra mim pode soar inofensivo, facilmente poderia machucar. Na verdade, por eu estar tão insatisfeita - nunca, jamais, confunda com ingratidão -, mesmo que não tenha feito nada, o tal ato por si só me deixa insana. Por que não fez nada se podia ter feito? Só que eu sei que não posso esperar de ninguém o que nem mesmo eu poderia garantir. Eu não faço quase nada que não siga meus próprios interesses, como esperar algo diferente dos que estão ao meu redor? Vivemos numa sociedade que se engole, cada um alimentando seu próprio ego, distúrbios e complexos mal resolvidos, sobrepondo-os, tentando massificar e dominar o ambiente, assim como os que fazem parte dele.
Fico um dia sozinha e já mudei cem por cento de ideia em relação a tudo. Tudo mesmo. O que eu acho de você, o que eu acho de mim, o que eu deveria fazer, e o que eu deveria fazer em relação a você. Mesmo que não tenha havido nada além de silêncio. Por minha parte ou pela sua.
Pra falar a verdade as relações humanas me apavoram. Elas são excruciantes em demasia, inflam nossas ansiedades e nos fazem querer mais do que podemos exigir, e a hipocrisia acaba consumindo tudo e deixando só as cinzas no final.
Quem vai querer uma dessas? Quem vai querer passar por isso? Pra que tanto tormento, tanta irresolução? Os problemas começam a se misturar e você não consegue distinguir as cores, as tonalidades se confundem e só resta o sentimento de caos. E ele move o mundo. Aproveita-se do drama e cresce, explode, espalha-se.
Eu sou a favor do caos.
Desde que eu o instaure...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Entretidos.